sábado, 27 de setembro de 2014

Cachorro pode comer doce?

Cachorro pode comer doce? Essa é uma questão muito comum entre os proprietários de animais de estimação. Em geral, é muito difícil resistir ao impulso de oferecer um petisco doce aos nossos cães, em especial quando eles fazem aquela carinha que todos nós conhecemos bem. Mas será que é seguro oferecer um alimento doce a um cachorro?


Antes de pensar sobre a possibilidade de se oferecer um alimento doce a um cachorro, o mais importante é saber que há alguns alimentos contra-indicados para cães, e que de fato podem fazer muito mal. Alguns deles são doces, e fazem parte de uma lista de alimentos que podem apresentar um alto potencial tóxico para os cães, independentemente de porte ou raça. Aqui no blog, já falei sobre a maioria dos alimentos perigosos para cães, e entre eles estão o chocolate, as macadâmias e as uvas, incluindo as passas. Embora nestes casos a toxicidade não esteja relacionada ao açúcar, esses alimentos são totalmente proibidos para o consumo canino.

Cachorro pode comer doce?
Cachorro pode comer doce?

Esse é um dos pontos mais importantes quando falamos sobre o que é e o que não é permitido para os cães. Embora possa haver pratos que aparentemente não podem fazer mal aos cães, às vezes os ingredientes podem sim ser perigosos. Um bom exemplo disso são os sorvetes, que embora não sejam considerados tóxicos, podem fazer mal, seja por uma intolerância à lactose, por exemplo, ou por conterem algum ingrediente muito mais perigoso do que o leite, como por exemplo o chocolate ou as uvas passas.

Cachorro pode comer doce?

Em relação aos doces que não contêm nenhum ingrediente tóxico para os  cães, também é preciso que se tenha cuidado. Como regra geral, quanto mais processado for o petisco, maior o risco de que ele seja de alguma forma prejudicial. Como os cães não são capazes de digerir os açúcares tão facilmente como o ser humano, evite os doces em barra, e jamais ofereça produtos dietéticos ou que contenham chocolate. Os doces feitos com leite também devem ser evitados, pois alguns cães podem ser intolerantes à lactose.

Alguns doces caseiros também não podem ser oferecidos aos cães devido aos ingredientes de preparo. Os doces preparados com bebida alcoólica por exemplo, são totalmente proibidos e podem ser muito prejudiciais à saúde dos cães, especialmente se consumidos em grande quantidade ou por cães de pequeno porte. Nunca ofereça nenhum tipo de doce que possa conter bebida alcoólica como ingrediente, não importa qual a quantidade. Na dúvida, não ofereça.

Há, no entanto, outros alimentos que são naturalmente doces e que você pode adicionar com segurança a alimentação regular do seu cachorro, seja como parte de uma dieta natural, ou como um petisco ocasional entre as refeições. Podemos então, responder a mais essa pergunta dizendo que sim, cachorro pode comer doce, desde que seja da maneira mais natural possível, e sempre em quantidade moderada. Vamos falar um pouco sobre cada um desses petiscos.

Mel

Conforme já comentamos anteriormente aqui no blog, o mel é um alimento naturalmente doce que pode ser acrescentado moderadamente a dieta canina. Esse é um ingrediente muito utilizado como adoçante no preparo de biscoito caseiros para cães. A maioria dos cães gostam do sabor e do cheiro do mel, e é uma opção segura desde que seja puro, sem açúcar extra e sem aditivos artificiais. O mel é ainda utilizado para ajudar nos casos de alergias.

Frutas

As frutas são consideradas um importante complemento na alimentação dos cães, e hoje em dia são utilizadas até mesmo no preparo de rações de linha comercial. Algumas frutas são utilizadas com mais frequência, como por exemplo a banana, a maçã e o morango.

Lembre-se de que no caso de qualquer fruta, a porção oferecida deve ser pequena, um pouco de cada vez, e sempre levando em consideração o tamanho e peso do cachorro. Algumas frutas também devem ser evitadas, em especial as mais cítricas.

Frutas como o abacate por exemplo, podem ser prejudiciais, enquanto outras como a maçã e a melancia, podem ser oferecidas, mas sem o caroço. As frutas secas devem ser oferecidas com moderação, pois são muito mais doces do que as frescas. Lembre-se que frutas como as uvas são proibidas, incluindo as uvas passas.

Raízes doces

As raízes doces são amplamente utilizadas na alimentação canina, seja no preparo da ração (tanto as naturais quanto as de linha comercial), ou no preparo de petiscos. Vegetais como a cenoura, a abóbora, a beterraba e a batata-doce são ricos em vitaminas e minerais, e contêm açúcares naturais que os cães podem absorver com mais facilidade do que dos doces processados.

Alguns vegetais, como a cenoura, podem ser oferecidos crus, como um petisco entre as refeições. Outros vegetais, podem ser levemente cozidos, cozidos no vapor, ou assados, e podem fazer parte da dieta regular de um cão que se alimente com refeições caseiras, preparadas com ingredientes frescos. A beterraba ralada por exemplo, também pode ser adicionada crua às refeições caseiras.

Nozes e sementes

Algumas nozes e sementes são permitidas para o consumo canino, desde que sejam oferecidas em quantidades mínimas, pois são alimentos que, em geral, são muito gordurosos. Apesar de não representarem riscos de intoxicação aos cachorros, as nozes são alimentos que devem ser evitados, mas podem ser oferecidos de vez em quando, em quantidade pequena.

Esse tipo de alimento é rico em vitaminas, minerais e elementos antioxidantes, e em geral, são agradáveis ao paladar canino, portanto fique atento à quantidade de cada porção. Amendoim, amêndoas, sementes de gergelim, sementes de abóbora e pinhões são alguns exemplos. Procure dar preferência ao amendoim e as sementes, sempre sem temperos ou aditivos artificiais, e nunca ofereça noz macadâmia, pois é um tipo de noz que é considerada tóxica. Para saber ao certo quais os tipos de nozes que os cães podem consumir com segurança, confira o artigo Cachorro pode comer nozes?.

Iogurte

Conforme já comentado mais acima, os cães podem ser intolerantes à lactose, mas muitos cães não apresentam problemas com os derivados de leite, e em especial o iogurte. Rico em cálcio e uma excelente fonte de proteína, o iogurte é um alimento muito nutritivo e amplamente utilizado na alimentação canina em diversos países europeus. Esse alimento pode ser oferecido semi-desnatado, puro ou com um pouco d'água, ou ainda misturado com outros alimentos naturais, como por exemplo pequenos pedaços de frutas frescas ou secas e mel. Lembre-se de que o iogurte deve ser natural, sem aditivos artificiais como corantes ou flavorizantes.


Importante: O conteúdo desse blog tem caráter meramente informativo, e em nenhuma circunstância, substitui a orientação de um veterinário, especialmente no caso de distúrbios de fundo alimentar, intoxicação, ou qualquer outra patologia relacionada à ingestão de alimentos ou outros produtos. Sempre que houver qualquer sintoma atípico com seu pet, leve-o imediatamente ao veterinário. Lembre-se que quanto mais cedo for diagnosticado o problema, maior a chance de cura.